www.runup.com.br

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A Importância do reforço muscular do idoso na academia

Visto as atividades físicas que os idosos praticam, sempre é bom ter um reforço para potencializar os benefícios que estas trazem para eles e, se tratando da corrida de rua, é de suma importância que o idoso recorra à musculação a fim de promover melhorias na sua musculatura, tão requisitada durante as provas e treinos. Com o decorrer da idade a massa magra do idoso vai diminuindo, mas com o fortalecimento muscular as lesões, que por vezes implicam no treinamento e evolução na corrida, diminuem.
Normalmente uma rotina de musculação na academia pode ser estranha para muitos frequentadores assíduos ao ver um idoso malhando, mas isso é totalmente normal atualmente. Como treinadores, devemos incentivar essa prática para complementar o treinamento da corrida, com exercícios que empreendam aumento e reforço da musculatura de membros inferiores.
Quando citamos as academias, entendemos que inicialmente estão ligadas na melhora do desempenho de seus alunos e também no intuito de esculpir corpos, porém, é crescente a população idosa dentro das salas de musculação, fazendo o uso de toda a aparelhagem e alcançando bons resultados. Estes resultados serão transmitidos à corrida, promovendo até melhores tempos ao idoso corredor, diminuindo o tempo de recuperação para executar os treinos de corrida e também colaborando para que nas suas atividades de rotina diária (em sua casa), idosos evitem quedas e realizem tudo que desejarem da melhor forma possível.
Na academia, os treinos de musculação devem priorizar a força, pois contribuem para o aumento da resistência muscular do praticante, o que se confirma pela melhora do tônus muscular e da amplitude de movimento, que auxiliará muito nas passadas durante a corrida a fim de poupar consideravelmente energia durante as provas. Assim, os benefícios para o idoso, além da melhora durante a corrida, é também em sua saúde. Prova disso é que muitas vezes um idoso possui um corpo muito mais preservado e bem condicionado fisicamente que muitos jovens.
Por isso, não devemos ter preconceito com este tipo de atividade para o idoso, pois não devemos afastá-los de nenhuma atividade física. Devemos levar em conta suas condições e limites, porque na academia veremos o idoso fazendo um leg press com pouco peso, uma cadeira extensora com uma amplitude menor que os outros, mas isso é parte de um treino na melhor idade. Portanto, não devemos exigir movimentos tão amplos como o dos jovens e devemos respeitar seus limites e também o seu corpo, principalmente em idosos que iniciam tal atividade nesta fase da vida (e sem passado de atividade física).
Enfim, devemos utilizar a musculação para um trabalho que desenvolva a força para o idoso e assim aumente sua massa muscular, que tende a diminuir com o passar dos anos. Por meio das outras atividades propostas na academia devem melhorar as condições cardíacas e respiratórias. Por si próprio o idoso consegue a socialização com outras pessoas na sala de musculação e na academia como um todo, o que é um dos grandes fatores para impedir que sua condição psicológica decline e que a cada corrida o idoso obtenha melhores resultados e leve para sua vida todo e qualquer benefício que venha a obter na musculação e corrida.
O Idoso deixou de ser à parte e sim fazer parte! Sua capacidade é muito grande e não devemos subestimá-los. Atentemos a essas pessoas maravilhosas e que tenhamos as condições de criar grupos de corrida e atividade física para tal população. Não só pelo trabalho que será desenvolvido, mas principalmente pelo aprendizado que iremos absorver.
(Fonte: http://www.webrun.com.br)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Motive-se!


Tanto no esporte, como na vida cotidiana, ao considerarmos a motivação como energia psicofísica que dá intensidade a nosso esforço para atingirmos nossos objetivos, podemos dizer que este é o fator de nossas vidas que dá início, dirige e integra nosso comportamento. Portanto, tudo aquilo que fazemos, com menos ou mais intensidade, do início ao fim da atividade depende do nosso nível de motivação.
A qualidade dessa energia – motivação – tem duas origens: intrínseca e extrínseca.
Motivação intrínseca
A primeira, motivação intrínseca é chamada também de pessoal ou inconsciente visto que essa representa o desejo interior para atingir algum objetivo ou satisfazer determinada necessidade. É a força psíquica que todos nós possuímos que nos leva empenharmos em uma atividade por vontade própria sem termos exata consciência daquilo que acontecerá na prática. Isso explica o motivo de escolhermos praticar um esporte, por exemplo, sem sabermos exatamente o porquê dessa escolha, mas não resistimos à atração e vamos em busca de algo que nem imaginamos direito o que é. Pergunte a um garoto futebolista, por que ele gosta de futebol, possivelmente você terá uma resposta lacônica do tipo: “Por que eu gosto!”.
Motivação extrínseca
A motivação extrínseca, por outro lado, é caracterizada por fatores externos, e é reconhecida também como motivação ambiental ou consciente. São fatores com conteúdos objetivos representados no esporte, por exemplo, por troféus, elogios, bolsas de estudo, equipamentos adequados, bom programa de treinamento e salários. Para todos esses fatores terem seus efeitos motivacionais pretendidos é necessário considerar a avaliação subjetiva daquele que está envolvido na atividade. Assim, aquilo que pode ser muito motivante para uma pessoa para uma segunda pode não ter o mesmo impacto. É por isso que não existe música ou equipamento motivador, o que existe é uma tendência motivadora.
Ao avaliarmos a tipologia da motivação descrita acima, é notório que a interação dos fatores pessoais (motivação intrínseca) e fatores ambientais (motivação extrínseca) é que compõem um bom nível de comportamento motivado. Como “matéria-prima” ou base da motivação, a parte intrínseca é pré-requisito para qualquer ação, no entanto a parte extrínseca é fundamental no sentido de auxiliar a manter o comportamento motivado.
Dessa forma, na prática de exercícios físicos e esportes, os fatores da motivação extrínseca necessitam ser valorizados e utilizados adequadamente pelas pessoas envolvidas como treinadores, pais e dirigentes, pois podem colaborar na manutenção e na modificação positiva do comportamento dos atletas. Esses, portanto, não podem depender unicamente de fatores internos para se motivarem a treinar durante longas horas.
Nesse pensar, imaginemos um atleta de natação que se submete a várias sessões de treinamento diariamente. Além de estar intrinsecamente motivado, fatores externos como o reconhecimento da família, da escola, estrutura de treinos e auxílio ou patrocínio financeiro o auxiliariam a manter o comportamento motivado para o rendimento. Por outro lado, quando alguém é submetido a um programa de exercício físico e/ou esportivo um bom nível de motivação está associado diretamente com a compatibilidade entre a dificuldade da tarefa com a capacidade pessoal do praticante.
Em conseqüência, quando o desempenho é demasiadamente fácil, produzirá tédio nos praticantes. Quando o nível de exigência é muito alto, teremos como resultado um comportamento ansioso. No entanto, quando o desempenho é determinado por um ritmo compatível (equacionado!) de complexidade, há um caráter de novidade presente em questão que estimula a melhoria do rendimento. É desejado então, buscar uma complexidade facilitadora das tarefas nas atividades para produzir motivação.
Em resumo:
Tarefa fácil: tédio
Tarefa difícil: ansiedade
Tarefa equacionada: motivação
Um dos fatores responsáveis pela manutenção de um nível ótimo de motivação é a capacidade psíquica das pessoas para a realização da tarefa ou do treinamento proposto (atletas, no caso do esporte e demais pessoas no caso do exercício físico). A capacidade para a execução de uma tarefa é verificada na medida em que a atividade a ser realizada é mantida por um determinado período de tempo. Nessa capacidade psíquica para a tarefa, há os fatores intervenientes externos (estrutura informativa das tarefas a serem realizadas e as características do meio de convivência) e internos (nível de desempenho, estabilidade emocional e características individuais).
Outro fator que deve ser considerado fundamental é o nível de prazer que a pessoa usufrui praticando determinada atividade. O desenvolvimento do prazer certamente levará a pessoa (atleta ou praticante de exercícios físicos) a melhor suportar o processo de treinamentos, conseqüentemente um melhor rendimento será observado. A melhoria constante desse rendimento aumenta a percepção do nível de conquistas pessoais e leva o atleta a obter um maior nível de fatores intrínsecos e extrínsecos da motivação.
Para uma ótima motivação a fim de melhorar o rendimento nos programas de treinamento esportivo e exercícios físicos aconselho seguir os seguintes passos:
1) Ter a clara percepção que seu esforço é produtivo. Ou seja, sua dedicação à atividade vale a pena;
2) Manter sempre uma ótima concentração na tarefa. Quanto melhor concentrado maior é a tendência de se manter motivado;
3) Estabelecer objetivos claros de desafios e compatíveis com a capacidade psicofísica pessoal;
4) Desenvolver autocontrole. Tanto no aspecto de controle da excitação emocional como no controle de execução da tarefa, em outras palavras dominar a exigência motora com calma.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A importância da alimentação pós-treino

Atualmente existem diferentes formas de se aumentar os resultados do treinamento. Mas qual é a mais adequada?
Os resultados do treinamento são frutos de um tripé composto principalmente por treino, repouso e alimentação. Aqui nos cabe falar do terceiro ponto, a alimentação, que é o combustível para o nosso esforço. Para aproveitar ao máximo as substâncias dos alimentos devemos aliá-las ao treino. A simples adoção dessa estratégia, por exemplo, possibilita ganhos para o atleta, antes mesmo que ele precise consumir suplemento alimentar, ou então parta para um aumento excessivo no treino. E os ganhos positivos podem aumentar ainda mais quando comemos corretamente após o treino, na fase de recuperação de nosso organismo.
Em estado normal, por exemplo, o nosso corpo libera na corrente sangüínea os hormônios necessários para o aproveitamento correto de carboidrato e proteína. É importante saber que essa é a fase anabólica do nosso organismo caracterizada pela construção muscular e pelo estoque de glicogênio.
Quando acabamos de fazer atividade física esse quadro se inverte e o organismo passa a quebrar os substratos para a obtenção de energia. Essa fase é conhecida como catabólica. E para se obter resultados positivos, essa segunda fase deve ser reduzida ao máximo para voltar rapidamente à fase anabólica. Mas na prática como se deve fazer isso?
A regra número um para TODO e qualquer atleta (seja de modalidade aeróbia ou anaeróbia, seja ele de alto nível ou muito iniciante) é a de se alimentar imediatamente após o treino para minimizar a duração da fase catabólica. Isso porque o corpo requer energia e aproveita melhor a energia consumida em um período de até aproximadamente 60 minutos pós-atividade física. É nesse período, podemos chamá-lo de “oportuno”, que devemos ingerir carboidrato (prioritariamente) e proteína.
Esse consumo deve ser feito na proporção de aproximadamente 3:1. É justamente esse consumo imediato de nutrientes adequados que reduzirá o catabolismo e aumentará os benefícios do treino.

Fontes de Carboidratos: Pães, massas, biscoitos sem recheio, frutas, bebidas esportivas, sucos…
Fontes de proteína: Carnes magras, frios (peito de peru e queijos), barras de proteína, derivados de leite…

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Spinning: detonador de calorias

Descubra como deixar a aula ainda mais eficaz
Por Christina Biltoveni

6 Maneiras para turbinar suas pedaladas
Professores revelam: atitudes simples, mas muito eficientes, podem melhorar a performance e proporcionar mais segurança durante uma sessão de spinning
1. Usar freqüencímetro

Esse aparelho serve para monitorar a freqüência cardíaca durante a atividade física. “Assim, fica mais fácil queimar gordura, porque o equipamento mostra se você está abaixo ou acima da chamada zonaalvo, deixando o treino eficaz”, explica o professor Anderson Dias, da Cia. Athletica, em São Paulo. Algumas mulheres fazem spinning com o objetivo de emagrecer e não conseguem perder peso porque pedalam numa freqüência muito baixa, não conseguindo atingir a zona de treinamento para queimar gordura.
2. Calçar sapatilha

A bicicleta de spinning tem um firma-pé para prender o tênis, mas usar uma sapatilha especial, a mesma utilizada por ciclistas profissionais (à venda em lojas de artigos esportivos), pode melhorar – e muito! – a sua performance. “Esse calçado tem solado duro, o que garante a transferência da força da perna direto para o pedal, sem desperdício de energia”, afirma Anderson. “Se você fizer a aula usando um tênis, que tem a sola mais macia, a tendência é forçar o arco do pé. Isso pode causar desconforto ou até uma inflamação”, completa Laerte Sapucahy, da A!Body Tech, no Rio de Janeiro.
3. Respeitar o cronograma das aulas

Periodização é como os professores chamam a programação das aulas. “Há sessões de montanha, em que você faz bastante força para trabalhar os músculos das pernas; as chamadas endurance, que priorizam a perda de gordura; e os treinos intervalados, para ganhar fôlego e melhorar o condicionamento físico”, diz Anderson. Ou seja: as aulas não são sempre as mesmas. Por isso, dá para pedalar todos os dias em intensidades diferentes.
4. Utilizar banco de gel ou bermuda acolchoada

Como você pedala sentada em vários momentos da aula, o bumbum costuma doer. Afinal, o banco da bike de spinning é bem estreito. Uma capinha de gel que encaixa no banco ou uma bermuda com proteção extra no bumbum são dois recursos que proporcionam mais conforto durante as pedaladas. “Muitas vezes, a aluna desiste não pelo exercício em si, mas pelo incômodo. Com esses acessórios, você consegue pedalar por mais tempo”, garante o professor Giba Ambrogi, da academia Bio Ritmo, em São Paulo.

5. Hidratar o organismo

Uma garrafinha com água ou isotônico vai ajudá-la a manter um bom rendimento. “O isotônico, além de evitar a desidratação, tem sais minerais e carboidratos, que auxiliam na reposição de energia, evitando a fadiga. Mas lembre que a bebida é calórica e quem quer perder peso não deve abusar”, revela Carlos Simeão Júnior, especialista em nutrição. Algumas alunas tomam gel de carboidrato. “O ideal é diluí-lo em água, porque a alta concentração pode levar a uma absorção mais lenta do nutriente e aí você não tem qualquer benefício.”

6. Manter uma toalha por perto

É sempre bom deixar uma toalhinha de mão pendurada na frente da bike. “Muitas mulheres transpiram bastante e é importante secar as mãos. Do contrário, elas podem escorregar no guidão durante a aula”, alerta o professor Ricardo Azuma, da academia Competition, em São Paulo.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Alongamento na musculação

Bike Indoor

Neste feriado 12/10 tivemos uma aula especial de bike indoor!!! Estava bom demais!!



Fábio Gianolla, Renato e Jéssica Mansur, Profª Marcia Domingues, Camila Pagliato, Monika Fidellis, Juliana Ferrari e Betina Latuf.

Parabéns Profª Marcia pelo seu trabalho!!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Correr não é para qualquer um

Estamos cansados de ouvir que a corrida é o esporte mais simples do mundo: basta colocar os tênis, ou nem isso, e sair a flanar por aí. Eu estou cada vez mais convencido de que não é bem assim: a corrida envolve riscos e é preciso se precaver contra eles. Para produzir o texto, conversei com vários especialistas em medicina esportiva e exercício.
O doutor Nabil Ghorayeb, chefe da cardiologia do esporte do HCor e do Instituto Dante Pazzanese, diz que “a liberação universal, segundo a OMS e a World Heart Federation, é para caminhadas diárias. Quanto às corridas, deve-se fazer uma avaliação cardiológica dirigida à pratica esportiva”.
Ele adverte: “Façam a seguinte comparação: para viajar de carro, o veículo  necessita de revisão mínima. O corpo humano é igual, atividades físicas não previamente preparadas ou treinadas podem desencadear arritmias cardíacas, insuficiência respiratória, elevação anormal da pressão e, se houver alguma doença não sabida, ela poderá se manifestar de modo agudo e grave”.
O ortopedista Wagner Castropil é também enfático: “Como especialista de medicina esportiva, acho que a corrida definitivamente não é para qualquer pessoa. Pelo maior índice de impacto, os indivíduos acima do peso (e aí incluiria aqueles com IMC maior que 28-29) não deveriam correr. Não é só isto, mulheres muito abaixo do peso corporal (IMC abaixo de 19) podem não ter a musculatura adequada para absorver os impactos da corrida.”
Mas ninguém precisa ficar parado: “Se o indivíduo está muito acima do peso, começar com uma caminhada enquanto reduz o peso corporal e depois introduzir a corrida progressivamente em blocos de um a dois minutos intercalando com caminhadas”.
Escrito por Rodolfo Lucena

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Oito mitos sobre a prática de exercícios físicos

Publicado em 18/8/2011 por Laura Tavares
Você sabe que o treino funcionou se sentir dores no dia seguinte
"A dor que sentimos nos primeiros dias de treino está associada ao novo estímulo a que nosso corpo foi submetido, mas a sua persistência pode indicar que os exercícios têm sido feitos de maneira incorreta", explica o personal Adriano.

Essa sensação é normal na primeira e até na segunda semana de
treino, mas a sua constância não faz sentido após a aquisição de um condicionamento físico regular. Posteriormente, como o aumento da intensidade dos exercícios ou mesmo com a mudança da atividade, elas podem voltar, mas, novamente, por um curto período de tempo.
Fazer abdominais queima a gordura da barriga
"Todos os exercícios localizados têm como função trabalhar uma musculatura específica e não a queima de
gordura", aponta Adriano Coronato. Assim, quando fazemos abdominais, estamos apenas contraindo e relaxando os músculos do abdômen. Para eliminar a gordura, a melhor solução é investir em exercícios aeróbicos.

O profissional ainda acrescenta que um abdômen desenvolvido contribui para a melhoria da postura, uma vez que quem não apresenta essa região do corpo trabalhada realiza uma espécie de compensação dos esforços físicos com a lombar.
O treino rende mais se for feito com o corpo envolto em plástico ou agasalhos
Não é porque você sente mais calor ou transpira mais que está fazendo o treino render mais. Segundo o personal, isso significa apenas que a perda de
água - e não de gordura - está sendo maior. Mesmo que os ponteiros da balança evidenciem um singelo aumento na perda de peso, ele será recuperado assim que a pessoa se hidratar.
É ruim beber água durante a prática de exercícios
De acordo com Adriano, é fundamental hidratar-se durante a prática de exercícios. Afinal, você perde água e nutrientes enquanto malha e, certamente, eles não são os responsáveis por você estar na academia. Além disso, o consumo de água está associado a uma maior resistência muscular, à regulação da temperatura corporal e à prevenção de
cãibras. "Em treinos puxados, é recomendada a ingestão de 500 ml de água ou de algum isotônico a cada meia hora de exercícios", explica.

O personal ainda complementa que, em treinos de curta duração, a pessoa pode até esperar o término da atividade para beber água, mas, no caso daqueles de longa duração, torna-se necessária a hidratação durante o treino com água e isotônicos, que também irão repor os sais minerais perdidos.
Musculação engorda
Ganhar
peso não significa engordar. Quem malha fica mais pesado porque está ganhando massa muscular, e não gordura. Como esclarece o personal, há uma mudança positiva da composição corporal: você perde medidas sem necessariamente perder peso. O profissional também ressalta que não adianta investir em um treino de musculação e não equilibrar a dieta. Quem tem uma alimentação desregrada, que excede o número de calorias que o treino é capaz de queimar, naturalmente irá engordar.
Fazer exercício de curta duração não traz benefício
Para praticarmos exercícios, precisamos de energia, cujas fontes estão estocadas em nosso corpo sob três formas: creatina fosfato (consumida prioritariamente no primeiro minuto de treino), glicogênio (consumido prioritariamente entre um e 30 minutos de treino) e gordura (consumida prioritariamente após os 30 minutos de treino).

Em outras palavras, esses três "combustíveis' são queimados simultaneamente durante o treino, mas, como há uma preferência do corpo em utilizar mais um do que outro, algumas pessoas entendem que só valeria a pena se exercitar se a atividade durasse mais do que 30 minutos. Para perceber como é equivocada essa ideia, o personal Adriano conta que um treino forte de 20 minutos queima mais gordura do que uma
caminhada lenta de uma hora. Por isso, o tempo é importante, mas não define tudo.
A natação é o esporte mais completo que existe
Não existe um esporte que seja mais completo que outro. Cada modalidade é adequada a determinado tipo de pessoa e será mais indicada dependendo do objetivo de quem treina. Alguns querem queimar gordura, outros desejam ter um corpo definido e há aqueles que praticam esportes, sobretudo, pelo bem-estar e convívio social que ele proporciona. O importante é se permitir experimentar diferentes modalidades para, um dia, encontrar aquilo que te traz total satisfação.
Fonte: Minha Vida saúde, alimentação e bem estar
http://www.minhavida.com.br/conteudo/13714-Oito-mitos-sobre-a-pratica-de-exercicios-fisicos.htm?ordem=1#gal

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Kinesis em Sorocaba e região é só no Studio Run Up!!


Kinesis Personal

A Kinesis Personal é a mais recente concepção em termos de design de equipamentos domésticos de preparação física ou destinados a espaços de bem-estar.
Fá-lo regressar às origens do movimento humano, libertando-o para redescobrir as quatro capacidades físicas fundamentais: resistência, equilíbrio, força e flexibilidade.
O Kinesis proporciona um exercício incomparável que restaura o equilíbrio perfeito entre a mente e o corpo, ajudando assim a melhorar a sua qualidade de vida.
A característica revolucionária é constituída pela tecnologia patenteada de "Fullgravity" (Gravidade total), inspirada pela natureza e pela ciência, para possibilitar movimentos agradáveis e sem restrições, e para atrair mais e mais pessoas para o Wellness.
O Kinesis é fácil de utilizar
Multifunções
Utilizando as três pegas nas posições ALFA, BETA e GAMA, é possível realizar mais de 200 exercícios diferentes, sem necessidade de fazer quaisquer ajustes.
Durante os movimentos normais são exercitados músculos específicos (peito, costas, abdominais, glúteos e quadríceps), ao passo que os movimentos combinados trabalham sinergeticamente ao mesmo tempo vários músculos diferentes (cadeias cinéticas anterior e posterior, central e multi-cadeia).

Silencioso e Seguro
A resistência aplicada é regulada por uma inovação tecnológica sofisticada, de patente registrada, através da qual um revolucionário sistema de forças aumenta a resistência de forma silenciosa, suave e em total segurança.

ErgonômicoOs braços de liga de alumínio, altamente polido, que suportam os cabos, são o produto da capacidade tecnológica da Technogym. Cada braço possui três sistemas rotativos, designados por "pivôs", através dos quais passam os cabos durante os movimentos para fora e de retorno. Os pivôs não só constituem uma característica altamente atractiva, como também absorvem o som. A pega lisa e confortável é magnetizada e, na posição de repouso, pode ser unida aos pivôs situados nos braços.

Fullgravity
Agora, o movimento não conhece limites, graças à tecnologia da Technogym, patenteada internacionalmente. O sistema de roldanas articuladas proporciona um movimento suave em todas as dimensões.

Ecrã
A carga de trabalho pode ser seleccionada com único toque na interface fácil de utilizar e apelativamente simples. De facto, tudo o que tem de fazer é rodar o botão de selecção no meio da parede, para ver o nível de resistência, entre 0 e 20, no ecrã digital de toque suave

Kinesis: 200 Exercicios no espaço de 1metro quadrado*
O mais completo equipamento para preparação física doméstica, ou para ser utilizado em áreas dedicadas ao bem-estar pessoal.
O Kinesis combina design e biomecânica, com uma especial atenção para com os ambientes que o rodeiam.
O resultado é o primeiro equipamento de marca a proporcionar mais de 200 exercícios
em apenas um metro quadrado (* 10,76 pés quadrados).
Quando o Kinesis não está a ser utilizado, ocupa muito pouco espaço, de forma que pode ser colocado em praticamente qualquer lugar.

O Kinesis proporciona:
·         FORÇA
·         FLEXIBILIDADE
·         RESISTÊNCIA
·         COORDENAÇÃO
·         CONTROLO DA POSTURA
·         CONTROLO DA RESPIRAÇÃO
Podem ser treinados músculos diferentes, alterando simplesmente a posição de exercício.
Além disso, pode também fazer alongamentos com o Kinesis.
As barras horizontais existentes no modelo Heritage podem ser utilizadas como apoio para os braços, pernas e peito.
As barras de parede também proporcionam o apoio necessário durante os exercícios que requerem mais estabilidade e controlo.
O painel espelhado do modelo Vision permite-lhe aferir imediatamente a postura durante o exercício. O Kinesis pode ser utilizado em programas de treino específicos, elaborados em função dos seus requisitos específicos.
Existem programas para a saúde e bem-estar geral, desporto e tonificação muscular, cada um dos quais é dividido em cinco rotinas específicas adicionais, cada uma com três níveis diferentes de esforço, dependendo do seu nível pessoal de preparação física.

Os programas são:

1. SAÚDE E BEM-ESTAR
·         Corpo e mente
·         Perder de peso
·         Coordenação
·         Flexibilidade e mobilidade
·         Postura
2. DESPORTO
·         Ténis
·         Golf
·         Esqui
·         Vela
·         Treino desportivo
3. TONIFICAÇÃO
  • Tonificação para senhoras
  • Tonificação geral
  • Abdominais e zona lombar
  • Membros superiores
  • Glúteos e pernas


Esse aparelho você só encontra no Studio Run Up!!! 

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

QUEIME CALORIAS COM TRANSPORT

Você adora musculação, mas está cansada de ter que fazer esteira antes? Ou acha que pedalar na bicicleta ergométrica, apesar de ser um exercício aeróbico essencial para perda de peso, é uma chatice? Então você precisa conhecer o transport.

O aparelho se tornou popular nas academias por ser muito eficiente no trabalho cardiovascular, o que gera grande perda calórica. Ele despontou como uma opção às outras máquinas com funções aeróbicas e conquistou seu lugar. O transport é um equipamento eletromagnético elíptico, que lembra os movimentos da prática de esqui. Nele, é possível movimentar pernas e braços em ritmo alternado.

A atividade ajuda as pessoas que querem fazer exercício físico, mas devem evitar o impacto nas articulações, comum nas caminhadas e corridas. A carga, a inclinação e a velocidade ministradas no aparelho precisam ser pré-determinadas por um professor da academia, de acordo com sua condição física.

O transport permite ainda um trabalho de ginástica localizada quando o movimento das pernas é realizado para trás. Dessa forma, os músculos do bumbum, da parte posterior das coxas e das panturrilhas serão mais exigidos, o que ajuda a definir a região.

Antes de se aventurar no transport, é imprescindível pedir Para orientação para não prejudicar a coluna e as articulações. Se mal utilizado, ele pode acarretar má postura e dores musculares. Use o transport e os demais aparelhos da academia com responsabilidade e segurança, seu corpo agradece!
Por Isabelle Lindote
redatora@bemleve.com.br

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Aulas de Bike Indoor

Bike Indoor é a aula de ciclismo que simula a corrida na rua com uma bicicleta estacionária.
É uma boa opção para quem quer emagrecer, pois estimula a queima de gordura em média, em aula de 50minutos são gastas 600 calorias; além disso, define e tonificam pernas, coxas, bumbum, abdômen e melhora a resistência cardio vascular (pulmão e coração).
A bike indoor simula subidas, decidas e retas com diferentes graus de dificuldade sejam sentado ou em pé. Geralmente não provoca lesões, devido ao baixo impacto.
As aulas são indicadas para quem já pedala ou nunca pedalou e acontecem na Run Up todos os dias.
Manhã
Terças, quintas e sextas-feiras às 8hs.
Noite
Segundas quartas e sextas-feiras às 19hs.
Por Marcia Domingues
bodymarcia@bol.com.br

Para maior longevidade, é preciso que exercício físico seja intenso

Atividade física vigorosa todos os dias pode significar 5,3 anos a mais de vida para homens e 3,9 anos a mais para mulheres

Várias pesquisas já comprovaram que a atividade física é um dos fatores que aumentam a longevidade. Uma nova pesquisa, no entanto, traz mais detalhes sobre como ela pode prolongar o tempo de vida. Estudo realizado com ciclistas de Copenhague, na Dinamarca, mostrou que é a intensidade, e não a duração do exercício, que influencia nos índices de mortalidade — principalmente em relação aos problemas cardíacos.
As recomendações atuais determinam que todo adulto deve praticar 30 minutos ou mais de atividades físicas diárias, de preferência todos os dias da semana. Segundo o estudo, é preciso, no entanto, estabelecer quais as durações, intensidades e frequências ideais do exercício.
Na pesquisa, o grupo coordenado por Peter Schnohr descobriu que os homens que praticavam o ciclismo com alta intensidade viviam 5,3 anos a mais, e aqueles com intensidade média, 2,9 anos mais, quando comparados aos que praticavam com intensidade baixa. Para as mulheres, os números foram 3,9 anos a mais e 2,2 anos a mais, respectivamente.
De acordo com Schnohr, o estudo sugere que a maior parte da atividade física diária deve ser feita de maneira vigorosa, com alta intensidade. A base de comparação (leve, moderado, intenso), no entanto, deve ser feita pelo indivíduo, seguindo sua própria percepção da atividade.

Fonte: Veja online

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Como melhorar sua passada na corrida?


Por Hayla Jatobá | 24/08/2011

Como todos nós sabemos para se ter uma boa passada é necessária a melhoria de diversos fatores associados. Para isso, focamos em um dos principais elementos, oferecendo dicas para conseguir este objetivo tão desejado por muitos corredores.

Alongamento-

Quanto mais flexíveis forem as articulações do quadril, joelhos e tornozelos, o movimento de cada uma será mais amplo, aumentando assim a amplitude da passada.

Não podemos esquecer que a região lombar tem extrema importância nesse fundamento. Se pensarmos no corpo como uma cadeia muscular completa, da cabeça aos pés, teremos duas importantes cadeias: anterior e posterior. Dependendo do grau de encurtamento muscular, uma dessas cadeias será afetada, gerando compensações globais durante a corrida. Um exemplo disso é quando sentimos algum desconforto na região lombar após um treino com muitas subidas.

Os principais músculos que devem ser alongados para a melhora da passada são:

- Glúteo máximo e médio;

- Abdutores;

- Adutores;

- Ísquio-tibiais;

- Quadríceps;

- Tíbia Anterior;

- Tríceps Sural (panturrilha).

Pensando em uma maneira de realizar esse alongamento global de todos os músculos importantes para a corrida, o método SGA (Stretching Global Active) utiliza posturas de correção focando na melhora do desempenho na corrida.

Os principais objetivos do SGA são:

- Melhorar a amplitude dos movimentos;

- Melhorar a elasticidade muscular;

- Diminuir as compensações de outras articulações ligadas ao movimento.

Com esse trabalho contínuo de flexibilização, conseguimos realizar todos esses objetivos ganhando uma passada com mais amplitude, maior velocidade e frequência durante a corrida.

Outro benefício é a diminuição do gasto energético, pois se o músculo está mais elástico, permitirá a articulação de fazer o movimento com mais facilidade. Com isso, não será necessário tanta energia para realizar o movimento da passada.
Fonte: http://www.webrun.com.br/home/n/como-melhorar-sua-passada-na-corrida/12605

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Curtam nossa página no facebook!!!


http://www.facebook.com/#!/pages/Studio-Run-Up-Treinamento-Personalizado/202357636452168

O que fazer para prevenir lesões

Por Josiane Strey


Ninguém vai para a academia para se machucar, mas, apesar disso, muitas pessoas se machucam pelo menos uma vez nesta jornada. Confira os 10 passos para diminuir as chances de lesões durante os treinamentos e se exercitar com segurança:

1. Tenha uma prescrição médica do tipo de atividade que você está apto a praticar. A partir disso, as academias fazem uma avaliação física para detectar as reais condições do aluno.
2. Nunca faça exercícios sem acompanhamento de um profissional da área. Fazendo algum movimento de forma incorreta, você pode prejudicar a sua saúde.
3. Não faça atividades físicas em jejum, mas evite comer demais antes dos exercícios.
4. Hidrate-se! Beba água antes, durante e depois das atividades.
5. Use roupas leves e confortáveis. Escolha um tênis macio e, de preferência, com amortecedor.
6. Tenha uma alimentação balanceada. A dieta deve ser rica em carboidratos (pães, macarrão, batata, arroz, etc). As fibras e os cereais integrais (aveia, pão integral, granola, entre outros) devem ser priorizados. Também as frutas, verduras e os legumes devem estar diariamente nas refeições. Já as proteínas (carnes, ovos, laticínios, etc) devem ser consumidas em menor quantidade do que a de carboidratos.
7. Faça um aquecimento antes dos exercícios para preparar os músculos para as atividades.
8. Tenha controle! Evite movimentos bruscos com os pesos e impactos muito fortes que possam comprometer suas juntas e ligamentos.
9. Repouse! Durma ao menos oito horas por dia para que seu corpo e organismo descansem e consigam se recuperar.
10. Alongue-se! Com o alongamento, os músculos mais exigidos e cansados se recuperam. Assim, você "avisa" o seu corpo que ele pode descansar.

Fonte: Revista Viva Saúde da Editora Escala
http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/noticias/o-que-fazer-para-prevenir-lesoes-224337-1.asp

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Quem se movimenta é muito mais feliz

A liberação de substâncias químicas durante a atividade física ajuda a reduzir o estresse e aliviar a ansiedade
Por André Bernardo

Seis horas da manhã. O despertador toca e você tem vontade de arremessá- lo pela janela. Ou, então, de virar para o lado e continuar a dormir. Mas, após alguns minutos de relutância, resolve se levantar da cama e fazer a sua caminhada matinal. "A parte mais difícil do exercício físico é sempre começar.
O exercício físico combate a obesidade, alivia o estresse, aumenta a resistência, melhora o humor, fortalece os ossos... Melhora o humor? Mas como? "A prática de exercícios físicos aumenta o nível de neurotransmissores, como a noradrenalina, a serotonina e a dopamina, que produzem uma sensação de relaxamento e bem-estar no indivíduo", explica o neurofisiologista Ricardo Mario Arida, da Unifesp.
Segundo os médicos, assim que o indivíduo começa a praticar um exercício físico, o sistema nervoso central já libera, na corrente sanguínea, substâncias que ajudam a acabar com o mau humor de qualquer um. A certa altura, essa produção atinge um determinado patamar, que torna a sensação de relaxamento e bem-estar perceptível. O melhor de tudo é que essa sensação prazerosa tende a permanecer mesmo depois de terminado o exercício.

Abaixo a depressão!
Um detalhe curioso, segundo o cardiologista José Kawazoe Lazzoli, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME), é que a serotonina, uma das substâncias produzidas pelo sistema nervoso, "faz parte do mecanismo de ação de diversos medicamentos antidepressivos". "A falta desse neurotransmissor é uma das principais causas da depressão", completa o biomédico Maurício de Mello Martinho, do Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício (CEFE).
Por essa razão, a prática regular de exercícios físicos - pelo menos 30 minutos por dia, cinco dias por semana - costuma ser indicada para portadores de ansiedade e depressão. "A prática regular de exercícios físicos está associada à melhora de diversas funções cognitivas, como memória e raciocínio, além de atuar também como um excelente ansiolítico e antidepressivo", observa o cardiologista José Lazzoli.
Mas, para os exercícios físicos surtirem o efeito desejado em pacientes ansiosos ou deprimidos, a série não pode ser das mais puxadas. "O recomendável é que o exercício seja difícil, mas não impossível de ser executado. Você nunca vai tirar um indivíduo da depressão se propuser uma série que ele jamais conseguirá cumprir. Em vez de melhorar a situação, você vai agravar o quadro depressivo do paciente", pondera Nuno Cobra.
Efeito anestésico
Das muitas substâncias produzidas pelo corpo durante os exercícios físicos, uma chama a atenção em especial: a endorfina. Ao contrário das demais, ela promove alívio das dores após uma determinada carga de exercícios. Não por acaso, a palavra é uma junção de "endo" e "morfina". Ou seja, a endorfina costuma ser descrita, por alguns especialistas, como uma espécie de "analgésico natural" já presente no corpo humano.
Mas não são todos os exercícios físicos que provocam no indivíduo aquela indescritível sensação de relaxamento e bem-estar. "Os predominantemente aeróbicos são os mais eficientes nesses casos", assegura o fisiologista Raul Santo de Oliveira, também da Unifesp. Entre os "predominantemente aeróbicos", ele cita três mais comuns: caminhada, corrida e natação. Mas enfatiza: "O melhor esporte que existe é aquele que o indivíduo pratica por prazer.”
Por isso mesmo, nada de obrigar um sujeito que gosta de canoagem a fazer judô. Ou que adora tênis a praticar hipismo. "Algumas pessoas preferem esportes individuais. Outras, coletivos. Alguns esportes terrestres. Outros, aquáticos. O segredo é adequar as exigências (físicas e psíquicas) do esporte ao nível das capacidades (físicas e psicológicas) do atleta", ensina Renato Miranda, especialista em Psicologia do Esporte pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). "Por fim, para saber se um esporte terá consequências positivas no humor de um indivíduo, basta seguir o provérbio: 'identifique-se com tudo o que você ama e preencha com isso a sua vida'", diz.

5 dicas para melhorar a forma física
1. Mais importante do que escolher o exercício certo é praticá-lo na intensidade adequada. Exercício físico em excesso pode ser tão (ou mais) prejudicial à saúde quanto a falta dele. 2. Procure começar bem devagar e vá aumentando, gradualmente, o seu nível de esforço. Exercite-se até ficar ligeiramente ofegante, mas, em hipótese nenhuma, completamente sem fôlego. 3. Faça sempre uma atividade física sob orientação de um profissional.4. Aumente em cerca de 10% o tempo ou a distância que você percorre por semana. Caso sinta desconforto, reconsidere a primeira meta estipulada até melhorar a sua resistência física. 5. Para aumentar o seu rendimento, procure praticar mais de um tipo de exercício físico. Variar entre modalidades esportivas melhora os resultados tanto anatômicos quanto fisiológicos


Fonte: Revista Viva Saúde Editora Escala
http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/98/artigo215712-1.asp

terça-feira, 19 de julho de 2011

Malhar de estômago vazio não ajuda a queimar gordura, diz estudo

Malhar enquanto se passa fome pode ir contra a sabedoria convencional, mas muitos atletas e "ratos de academia" fazem força com o estômago vazio, acreditando que dessa maneira irão queimar mais gordura.
O conceito, defendido em livros populares de condicionamento físico na última década, dita que o ato de exercitar-se com o estômago vazio força o corpo a buscar combustível nos depósitos de gordura acumulada em vez de correr atrás dos carboidratos mais facilmente disponíveis depois de um almoço ou lanche pré-malhação.
Mas, embora isso pareça fazer sentido, pesquisas mostram que exercitar-se desse jeito não oferece nenhum benefício, podendo inclusive trabalhar contra a saúde.
Após anos de revisão de pesquisas sobre o assunto, um relatório publicado nesse ano no "Strength and Conditioning Journal" concluiu que o corpo queima basicamente a mesma quantidade de gordura, desconsiderando se você se alimentou ou não antes do exercício. Porém, você pode perder musculatura fazendo esforço em um estado de esgotamento e, sem o combustível necessário para apoiar esse esforço, a intensidade do exercício e a queima global de calorias podem sofrer redução.
Uma das pesquisas revisadas para o relatório examinou ciclistas quando treinavam depois de comer e quando treinavam em jejum. Quando treinavam sem nada em seus estômagos, aproximadamente 10% das calorias queimadas vinham de proteínas, incluindo perda muscular.
Em uma outra pesquisa publicada em 2002, cientistas descobriram um benefício adicional de uma refeição pré-malhação: mulheres saudáveis que consumiam 45 gramas de carboidratos antes de seu exercício acabavam comendo menos durante o restante do dia.

Fonte: Folha.com

terça-feira, 22 de março de 2011

FALTA DE FÔLEGO: NÃO DEIXE O PROBLEMA TE ATRAPALHAR

Você bem que tenta, mas anda faltando fôlego para praticar atividade
física? Isto não é um bom sinal. Até porque, exercitar-se é fator primordial
para alcançar uma boa qualidade de vida e o corpo dos sonhos.

Mas, afinal, como podemos aumentar nossa capacidade respiratória? Quais as influências e os
hábitos que comprometem nossa saúde? Quais os cuidados que devemos tomar para
garantir o bom funcionamento dos pulmões?


Para quem não sabe, o fôlego está relacionado diretamente à sensação de
falta de ar relatada pelas pessoas especialmente ao realizar atividades
físicas. Aquelas que possuem um bom condicionamento físico, que praticam
exercícios regularmente e possuem boa massa muscular terão mais fôlego para as
atividades. Consequentemente, as pessoas que têm alguma doença pulmonar ou
cardíaca, alterações musculares ou são sedentárias terão menos fôlego.
Existem, no entanto, alguns fatores que influenciam nossa capacidade
respiratória e podem prejudicar o fôlego. “O tabagismo e a poluição, por
exemplo, funcionam como agentes agressores do pulmão. Estas substâncias, quando
aspiradas, provocam inflamações”, explica Dr. Oliver Augusto Nascimento,
diretor de Assuntos Científicos da Sociedade Paulista de Pneumologia e
Tisiologia (SPPT).
A boa notícia é que existem meios para aumentar a capacidade pulmonar. A
prática regular de atividade física, por exemplo, é benéfica para a saúde
respiratória, mas deve ser realizada de maneira correta para não trazer danos.
Acompanhamento médico, temperatura e umidade do ar adequadas e o respeito aos
limites do corpo são algumas dicas.
Quanto à onda de dieta que costuma tomar conta das pessoas devido à
aproximação do verão, o especialista é taxativo: “Muitas pessoas, com a chegada
do final de ano, apresentam o que pode ser chamado de síndrome do regime.
Querem fazer tudo de uma vez e se esquecem de fazer as avaliações necessárias,
colocando a saúde em risco”.
Além das atividades físicas, as doenças respiratórias também têm relação
direta com o fôlego. Doenças como a asma e a DPOC são apontadas como as
principais, mas a hipertensão pulmonar também pode causar problemas. Todas elas
precisam ser tratadas e receber acompanhamento de um médico pneumologista.
Os maus hábitos também contribuem, e muito, para agravar e até
desencadear problemas na saúde respiratória. O principal ainda é o cigarro, mas
existem outros hábitos que podem prejudicar o pulmão.
A saúde pulmonar depende de alguns cuidados muito importantes. Em caso
de sintomas respiratórios como tosse, catarro ou falta de ar, um médico deve
ser procurado para fazer o diagnóstico e dar início ao tratamento, se
necessário. O diagnóstico precoce diminui a progressão de doenças e melhora a
qualidade de vida e o fôlego do paciente.